18dez

O Natal

Uhlala18DeDez2

Não sei bem há quanto tempo atrás comecei a gostar de Natal. Só sei que quando bem pequenininha, ou pelo menos desde que me lembro de mim mesma, já era apaixonada essa data. Para mim, Natal era mais especial que aniversário, e não havia nada melhor do que saber que o senhor papai Noel estava a caminho, trazendo consigo suas luzinhas brilhantes, árvores coloridas e muitos presentes legais. Aliás, acredito que esse era o principal motivo pelo qual eu era assim tão apaixonada pelo Natal; os presentes. Ah, e a comida também, é claro. Tender, “surrebifru” (conhecido pelas pessoas normais como salpicão), torta de Bis… Já mencionei a torta de Bis? Puxa vida, que coisa mais maravilhosa era (e ainda é) essa coisa de torta de Bis. Se essa torta não era um pedacinho de paraíso, simplesmente não conseguia imaginar o que seria. Para mim, a comida de Natal tinha mais sabor, não era como a comida dos outros dias; era O jantar de Natal. Tudo isso era tão gostoso… meu Deus como era delicioso vestir a roupa nova e ir para ceia! Lembro que nesses dias, todo mundo parecia tão feliz e animado, afinal, uma nova era estava próxima, o papai Noel estava finalmente a caminho trazendo consigo um ano novinho para ser estreado, assim como os meus novos presentes! E nada em todo o universo poderia ser mais empolgante do que isso!

E por muito tempo fui assim, a louca apaixonada por Natal.

Mas é engraçado como as coisas se transformam quando a gente cresce. E como tudo aquilo que amávamos deixa sempre aquele gostinho salgado de saudade. A verdade sobre isso tudo é que comida é sempre comida. Talvez mais saborosa do que a de ontem, ou com mais opções, mas ainda assim, tanto a comida de ontem como a de hoje existem pelo mesmo motivo: manter nosso corpo funcionando.

A outra questão é que assim como a comida, presentes também são só presentes. E apesar de ser incrivelmente delicioso recebê-los (e dá-los), hoje eu percebo que eles também não representam o verdadeiro motivo pelo qual eu era assim tão encantada pelo Natal.

Quando pequena pensava que era o a comida e os presentes que faziam do Natal uma data assim tão prazerosa. Mas a grande verdade é que não era nada disso, ou pelo menos, não somente isso. Essas coisas eram apenas adornos para que a festa de Natal se realizasse de maneira mais saborosa. A questão é que o que fazia do Natal uma data assim tão deliciosa, era exatamente tudo-o-que-não-eram-coisas. Eram todas aquelas pessoas tão queridas que estavam a nossa volta. O abraço da tia, o cheirinho da avó… Tudo isso sim é que era um pedacinho do paraíso, e, infelizmente, alguns desses pedacinhos já não podem mais estar presentes nesse Natal. Presentes… Essa sim é que é a verdadeira ironia da vida; o presente não é aquilo que vem dentro da caixinha, aquilo que a gente compra com o cartão de crédito. O presente é simplesmente o presente. Quero dizer, o momento presente. Aquele delicioso tiquinho de tempo em que estamos na companhia de todos aqueles que amamos. Isso sim, minha cara leitora, é o que eu chamo de verdadeiro presente. E não é presente de qualquer um não; é presente do ser mais perfeito e indescritível de todo o universo; é presente de Deus.

Uhlala18DeDez4

Uhlala18DeDez5

Uhlala18DeDez6

Uhlala18DeDez3

Uhlala18DeDez1

Uhlala18DeDez8

Uhlala18DeDez7

O post na verdade não era para ser sobre isso, mas sim sobre a decoração de Natal aqui de casa. Mas aí a inspiração acabou surgindo e de repente… tcharam, surgiu um texto. Se você leu até aqui, aqui vai meu mais sincero muito obrigada! Obrigada pela leitura dos meus textos (tões… porque não sou de escrever pouco haha), e obrigada por ter me acompanhado por aqui nesse ano de 2014 <3 Que Deus ilumine minha vida e a sua para que 2015 também seja um ano muito abençoado e cheio de momentos bons! Não; esse não é o último post do ano, só estou meio inspirada hoje haha

Muitos beijos,

e fim!

Acompanhe o blog nas redes socias:

Instagram Facebook Twitter Youtube

Se inscreva no canal do blog Uhlala =)

Deixe seu comentário